Sentimos muito mas seu browser não é suportado pela Marsh.com

Para uma melhor experiência, por favor faça o upgrade para um dos seguintes browsers:

X

Pesquisas & Informativos

Perspectivas 2020: Mais confrontos e ameaças a longo prazo

John Drzik, Presidente da Marsh & McLennan Insights/Brink News 28 Janeiro 2020

A nova década é uma enorme promessa para os avanços sociais, econômicos e tecnológicos. Ao mesmo tempo, como destacado no Global Risk Report 2020 elaborado pelo Fórum Econômico Mundial com o apoio da Marsh & McLennan e de outros parceiros, o mundo enfrenta confrontos cada vez mais intensos entre os países e dentro deles, além de crescentes ameaças climáticas a longo prazo por conta das constantes mudanças e da perda de biodiversidade. 

As tecnologias emergentes também estão ampliando alguns riscos de curto prazo e criando novos riscos, por exemplo, com implantações cada vez mais difundidas de inteligência artificial.

Um panorama político instável

O conflito persiste no Oriente Médio, as tensões estão crescendo no norte da Ásia e existem problemas em curso no Mar do Sul da China. O papel das instituições multilaterais na coordenação de questões críticas tem sido contestado por agendas políticas nacionais, e muitos países optaram por seguir o seu caminho.

Os confrontos econômicos entre as principais potências também se intensificaram, refletidos na escalada de tarifas e disputas comerciais, bem como no aumento das restrições ao investimento em todo o mundo.

Embora as tensões comerciais entre os Estados Unidos e a China tenham diminuído recentemente, a maioria dos especialistas em riscos vê o nível global de confrontos econômicos entre as principais economias aumentar até 2020. Os altos níveis de endividamento no setor público e privado também aumentaram a vulnerabilidade econômica.

As nações também enfrentam o aprofundamento das fraturas em suas políticas internas, com as sociedades se tornando mais polarizadas e um nível crescente de protestos em muitas regiões. Temos visto isso no Reino Unido com os atritos decorrentes do Brexit, na política partidária nos EUA, que se intensificará ainda mais no período que antecede as eleições presidenciais de 2020, e na agitação social impulsionada pela desigualdade na América Latina, África e Europa.  A desaprovação de como os governos abordam questões sociais e econômicas fundamentais está causando manifestações, por exemplo, no Chile e em Hong Kong. A polarização política interna classifica-se como um dos riscos mais propensos a continuar aumentando no Relatório de Riscos Globais.

A tecnologia está ampliando confrontos nacionais e internacionais. Nacionalmente, novas tecnologias digitais geraram notícias falsas e conteúdo extremista online, o que serviu para fraturar a fala, corroer a confiança e gerar agitação dentro dos países. A tecnologia também está facilitando conflitos interestaduais, evidentes em ataques cibernéticos afiliados ao Estado à infraestrutura crítica e à crescente concorrência estratégica e conflitos entre os países em relação à aquisição de tecnologias sensíveis.

Aumento da urgência sobre os riscos ambientais

O aspecto mais marcante do Relatório de Riscos Globais de 2020 é que os cinco principais riscos de longo prazo estão na área ambiental.

As preocupações com as mudanças climáticas aumentaram nos últimos 10 anos, e todos os indicadores-chave apontam para uma situação que piora. O recente aumento da frequência e intensidade dos eventos climáticos extremos serviu para levantar ainda mais as preocupações.

A perda de biodiversidade também aumentou significativamente na classificação de risco deste ano.

Relatórios recentes têm chamado a atenção para as consequências irreversíveis para a sociedade da perda de biodiversidade dentro e entre espécies, ameaçando a segurança alimentar e, em um ciclo vicioso, ampliando os impactos das mudanças climáticas. Por exemplo, os danos aos recifes de corais aumentam o risco de inundações, e o desmatamento na Amazônia aumenta o potencial de seca e incêndios.

O ativismo contra as mudanças climáticas está crescendo, e os governos estão enfrentando uma pressão crescente para fortalecer seus esforços para enfrentar a mitigação e adaptação das mudanças climáticas. Essa pressão e demanda por ação também está sendo canalizada para o setor privado. As empresas devem monitorar ativamente os desenvolvimentos legislativos e regulatórios para que não sejam pegos em mudanças políticas ou regulatórias inesperadas e se preparem para aumentar a pressão sobre os problemas climáticos para todos os seus stakeholders: investidores, clientes, funcionários e comunidades.

E à medida que mais governos se movem para divulgações corporativas obrigatórias dos riscos climáticos, as empresas se beneficiarão de participar de uma quantificação de risco mais rigorosa e planejamento de cenários nessa área.

Os sistemas de saúde estão pendurados no caminho

O Relatório de Riscos Globais também ressalta um crescente senso global de urgência em relação aos cuidados com a saúde. O aumento das demandas de assistência social e saúde e o aumento de Doenças Não Transmissíveis (DNS) e transtornos de saúde mental estão aumentando as tensões em um sistema de saúde global já esticado. As Doenças não transmissíveis contabilizam 41 milhões de mortes por ano, e a OMS espera que esse número chegue a 52 milhões até 2030. Depressão e transtornos de ansiedade também estão aumentando: estima-se que 700 milhões de pessoas em todo o mundo tenham um transtorno de saúde mental.

Como exemplo de riscos interligados, a mudança climática está agravando ainda mais a pressão sobre os sistemas globais de saúde. As paralisações na saúde relacionadas ao clima incluem poluição do ar, insegurança alimentar e hídrica e aumento de doenças infecciosas devido ao aumento das temperaturas.

O risco tecnológico continua como uma preocupação crítica para os negocios

Os ataques cibernéticos continuam sendo a principal preocupação de risco entre os líderes empresariais em economias avançadas, e a rápida expansão na implantação da Internet das Coisas está ampliando substancialmente a possibilidade do ataque cibernético para muitas empresas. Fraudes e roubo de dados também é um risco de alto escalão para a comunidade empresarial.

Há também preocupações crescentes sobre potenciais ameaças derivadas da inteligência artificial, incluindo riscos de segurança, privacidade e preconceito, e os líderes empresariais enfrentam uma crescente desconfiança social de tecnologias emergentes em geral.

Houve progressos limitados no desenvolvimento de normas de governança global em relação aos riscos tecnológicos emergentes no setor público. Algumas empresas estão melhorando suas abordagens internas para a governança tecnológica, por exemplo, lançando quadros éticos de IA ou comitês dedicados para supervisionar a IA, à medida que os líderes lidam com as amplas implicações decorrentes da implantação de Tecnologias.

Melhorando a resiliência e capturando oportunidades

O Relatório de Riscos Globais é um ponto de referência útil para as empresas considerarem ameaças externas e a resiliência de sua organização para elas, bem como as potenciais oportunidades de crescimento que podem surgir delas. O foco deve ser em três áreas.

Em primeiro lugar, os líderes empresariais devem identificar e avaliar rigorosamente potenciais fontes de interrupção específicas de seus negócios a partir do cenário de risco global atual. A quantificação de riscos e o planejamento de cenários em torno do impacto potencial dos riscos globais individuais ou interconectados podem ajudar a identificar potenciais tensões entre inovação empresarial, resiliência operacional e apetite por risco.

Em segundo lugar, eles devem rever seus planos de prevenção e resposta de riscos de forma mais abrangente, com um foco particular em saber se seu negócio está pronto prontos para responder de maneira efetiva a eventos de rápidos movimentos que possam afetar as operações e a reputação. Esse processo pode facilitar a descoberta e implementação de indicadores de alerta precoces, de modo que a tomada de decisão seja rápida e o compromisso de resposta possa ocorrer quando uma crise surgir.

Por fim, as empresas devem considerar como transformar riscos globais em oportunidades por meio de estratégias de crescimento e investimento que alinhem sua organização na mesma direção da mudança.

Em relação ao risco climático, por exemplo, muitas empresas estão avaliando seu perfil de risco físico e de transição para considerar as vulnerabilidades em sua cadeia de suprimentos e atender às exigências legais, regulatórias e de investidores.

A mesma análise pode ser utilizada para considerar as novas e expandidas oportunidades de produtos e mercado que serão criadas a partir da evolução das mudanças climáticas, por exemplo, em energia renovável, finanças relacionadas à sustentabilidade ou inovações mais amplas que atrairão clientes, investidores e funcionários com maior sensibilidade ao assunto.

A natureza complexa e multivetorial desses riscos não facilitará a navegação das empresas na próxima década. Exigirá monitoramento climático constante no cenário geopolítico, inovação e agilidade na tecnologia, e uma disposição de adaptar cadeias de suprimentos e modelos de negócios para se adaptarem ao clima em rápida mudança. Mas para aqueles que tiverem sucesso, as recompensas valerão a pena.

Temas relacionados:  Political Risk , Environmental Risk

Próximo

O olhar para combater as mudanças climáticas está nas empresas

John Drzik, Presidente da Marsh & McLennan Insights 28 Janeiro 2020

Anterior

O olhar para combater as mudanças climáticas está nas empresas

John Drzik, Presidente da Marsh & McLennan Insights 28 Janeiro 2020