Sentimos muito mas seu browser não é suportado pela Marsh.com

Para uma melhor experiência, por favor faça o upgrade para um dos seguintes browsers:

X

BLOG: RISK IN CONTEXT

Desafios na Retomada de Operações Pós-Perdas

Por Wellington Zanardi 21 Setembro 2017

No momento da renovação, quando ocorre a atualização das informações ou mesmo revisões técnicas de termos e condições de Clausulados aplicados, as empresas se deparam com as questões relacionadas aos valores segurados, importâncias máximas seguradas e aos períodos indenitários adequados para cobrir suas operações em caso da ocorrência de sinistros.

Isto se potencializa quando tratamos de indústrias complexas tais como Mineração, Metais e Energia, nas quais nos últimos anos é possível observar grandes alterações em cenários internos e externos que impactam diretamente na definição e revisão destes parâmetros quando se dá a colocação e transferências dos riscos ao mercado Segurador e Ressegurador.

Devemos ainda levar em consideração alguns itens importantes nas analises técnicas:

•    Peças de Reposição de Equipamentos Críticos;
•    Fornecimentos Locais vs. Internacionais;
•    Interdependência entre Locais Segurados e Terceiros dentro da cadeia produtiva;
•    Prazo de fornecimento de equipamentos críticos, incluindo logística, instalação e testes;
•    Prazos para remoção, recuperação, perícia, liberação de construção e testes/comissionamento;
•    Alterações na legislação, licenciamento;
•    Contratos com clientes, fornecedores;
•    Câmbio.

Quando existe a ocorrência de grandes perdas, a reposição dos ativos e operação comercial podem sofrer grande influência de fatores externos, que normalmente deslocam prazos de execução podendo prejudicar a retomada dos negócios e, consequentemente, podendo haver a necessidade de se obter e/ou contratar períodos indenitários mais adequados à realidade de risco na cobertura de Lucros Cessantes.

Outro fator muito comum no setor e necessário à avaliação na hora da formatação da Cobertura de Lucros Cessantes está relacionado ao período de ramp up, cujo período pode ser incorporado ao período indenitário da citada cobertura. Neste caso poderia ser aplicada na composição total da indenização de Lucros Cessantes a diferença entre a produção/resultado operacional bruto durante o período de ramp up e resultados apurados quando da ocorrência de um sinistro.