Sentimos muito mas seu browser não é suportado pela Marsh.com

Para uma melhor experiência, por favor faça o upgrade para um dos seguintes browsers:

X

BLOG: RISK IN CONTEXT

Geração de Energia no Brasil: Onde Estamos e para Onde Vamos...

Por André Dabus 05 Outubro 2017

O Plano Decenal de Expansão de Energia 2026, elaborado pelo Governo Federal, é um documento informativo que contém as principais premissas e indicadores para a construção de cenários de geração e consumo de energia de 2016 a 2026, demonstrando a visão racional do Governo em relação à capacidade instalada de geração e consumo  de energia no Brasil , e ainda, como será a demanda futura.

Atualmente, nossa matriz energética compõe-se de aproximadamente 71% de geração hídrica (Usinas Hidrelétricas e Pequenas Centrais Hidrelétricas), 20% de geração térmica (carvão, biomassa, gás natural dentre outras), 1% nuclear, 7%  Eólicas e  0,3 % Solar. Mas este cenário tende a mudar, pois segundo o Plano, nos próximos 10 anos, haverá a ampliação da capacidade de fontes renováveis de energia, seguindo tendência mundial de desenvolvimento de fontes não poluentes.

Uma destas fontes é a geração Solar Fotovoltaica, que poderá alcançar, em 2026, 1.5% da capacidade instalada, que equivale a 9GW. Entretanto, para que este tipo de energia cresça ainda mais será necessário ampliar a cadeia de fornecedores e oferta de novas fontes de financiamento, mantendo-se uma politica de conteúdo local equilibrada.

Vele destacar que, segundo dados presentes no Plano Decenal de Expansão de Energia, caso a fonte solar fotovoltaica tiver redução expressiva do seu preço nos próximos anos, sua adoção na matriz energética brasileira será acelerada para além destes números. Um eixo estratégico para atingir esta redução de preços é a isonomia tributária sobre equipamentos do setor, ainda sujeita a elevados impostos.

Atualmente, a Indústria Fotovoltaica local está enfrentando dificuldades em competir com equipamentos importados, ao mesmo tempo em que o BNDES tem dificuldade em financiar equipamentos que não são fabricados no Brasil.

Diante deste cenário de desafios e oportunidades, é necessário ter um plano de ação estruturado para o sucesso dos novos projetos de geração de energias renováveis, desde as etapas da concepção e desenvolvimento até a implantação e operação.

No caso da geração solar fotovoltaica (Micro e Mini Geração Distribuída), um ótimo recurso para mitigar os riscos existentes nas etapas de instalação, montagem e operação é o Insurance Solar Pack, que tem por finalidade proteger o integrador, instalador, financiador e proprietários dos sistemas fotovoltaicos.

Além dos seguros normalmente indicados para geração de energia renovável, como os de Riscos de Engenharia, Responsabilidades, Operacionais, Garantia e Lucros Cessantes, também é importante avaliar outras modalidades para assegurar uma proteção mais completa.

Dentre eles, há o Seguro Paramétrico Climático, que tem por finalidade garantir o pagamento de indenização, caso não seja atingida a performance prevista na projeções  iniciais, desde que motivado por fatores climáticos, e também o Seguro Garantia Completion Bond, cuja principal finalidade é garantir ao financiador que o projeto será implantado de acordo com as  condições previstas no contrato de financiamento, ou na sua impossibilidade, o reembolso das quantias já desembolsadas pelo financiador aotomador da Garantia.

Temas relacionados:  Agribusiness , Infrastructure , Energy