Sentimos muito mas seu browser não é suportado pela Marsh.com

Para uma melhor experiência, por favor faça o upgrade para um dos seguintes browsers:

X

BLOG: RISK IN CONTEXT

Os Desafios da Indústria Financeira no Brasil

Por Rodrigo Nagase 19 Julho 2018

As instituições financeiras que atuam no Brasil estão inseridas em um ambiente altamente regulamentado e suscetível a crises econômicas em função da volatilidade do mercado nacional e internacional.

Na indústria financeira, onde trilhões de dólares são transacionados diariamente, as implicações de riscos não mitigados podem se tornar uma questão de sobrevivência para as organizações e seus dirigentes.

Diante deste cenário alguns riscos corporativos tomam destaque nas agendas dos executivos da indústria.

O primeiro deles está relacionado aos ataques cibernéticos que têm gerado prejuízos e preocupações com relação à segurança de dados sensíveis, uma vez que as empresas que atuam nesta indústria detêm as informações financeiras de clientes. A preocupação torna-se ainda mais forte quando temos um órgão como o BACEN publicando uma resolução relacionada à obrigatoriedade de desenvolvimento de uma política de Segurança Cibernética. Sem mencionar os avanços internacionais no tema.

Outro risco está relacionado ao marco legal punitivo, que regulamenta os parâmetros para aplicação de penalidades administrativas aos executivos, podendo gerar multas de até R$ 2bi ou 0,5% da receita (Lei nº 13.506/2017)

Os riscos ambientais também têm chamado atenção, considerando os efeitos catastróficos que podem causar e indiretamente / judicialmente afetar as instituições financeiras inseridas nesse contexto.

A análise que podemos fazer em relação aos riscos acima citados é a importância e a necessidade de um plano de gerenciamento de risco e proteção adequado à operação e que traga maior clareza dos recursos investidos vs. proteções contratadas.

Os riscos são inúmeros e nem todos seguráveis. Segundo Sun Tzu, “A água escolhe o seu percurso de acordo com o terreno que atravessa. O guerreiro busca a vitória de acordo com o inimigo que enfrenta.” e assim deve ser a estratégia das instituições financeiras para obter a vitória, adaptável e flexível para vencer a volatilidade presente no mercado e os novos riscos que surgem a todo o momento.