Skip to main content

Artigo

3 formas pelas quais as empresas podem descarbonizar e ajudar a atingir o carbono zero

Nenhuma organização ficará imune às mudanças climáticas e à transformação da economia global que ela exige.

Aerial top view of country road in green summer forest and blue lake. Rural landscape in Finland. Drone photography from above.

Nenhuma organização ficará imune à mudança climática e à transformação da economia global que ela exige.

Os gestores de risco devem se fazer duas perguntas fundamentais: qual é o impacto da minha organização no clima? E, por outro lado, qual é o impacto do clima na minha organização, agora e no futuro?

Manter o aquecimento global dentro do 1,5°C acordado no Tratado de Paris significa praticamente reduzir à metade as emissões de CO2 até 2030, enfatizando a necessidade de compreender como cada organização pode desempenhar o seu papel. Ao cortar as emissões, as empresas também deverão criar resiliência para uma nova realidade, que inclui desastres naturais mais extremos e caros. Somente em 2021, dez dos eventos mais destrutivos do mundo custaram US$ 170 bilhões em indenização.

O Climate Action Navigator da Oliver Wyman constatou que as empresas, por seus múltiplos setores importantes, precisam tomar significativamente mais medidas para ter emissões até 2030. Isso está de acordo com um estudo recente da Deloitte, que revelou que, embora 97% dos CEOs saibam que as suas empresas já são negativamente impactadas pela mudança climática, apenas 19% implantaram ações de sustentabilidade que fazem a diferença.

Enquanto isso, os riscos de inação estão se somando. Os gestores também deverão avaliar a exposição da sua organização à responsabilidade climática. Uma série de ações judiciais contra as empresas de combustível fóssil por causar mudanças climáticas sinaliza um desejo crescente de responsabilidade.

Para oferecer o impulso tão urgentemente necessário, mencionamos aqui três formas importantes pelas quais as empresas podem ajudar a cortar as emissões de gases do efeito estufa para reduzir a sua exposição ao risco, enquanto obtêm uma vantagem competitiva.

1) Preparar adaptações sustentáveis para eventos climáticos extremos

O risco de eventos climáticos extremos destrutivos como furacões, inundação e ondas de calor está aumentando. Além da terrível miséria humana, esses eventos interrompem as cadeias de abastecimento globais – a inundação de 2011 na Tailândia devastou muitos grandes parques industriais, causando uma escassez global de discos rígidos. Avançando para 2022, a onda de calor da Europa secou o rio Reno a tal ponto que apenas cerca de 50% da carga normal é capaz de passar por esta artéria vital para tudo, desde produtos químicos a peças de automóveis, de acordo com uma reportagem.

Apesar da imprevisibilidade dos riscos climáticos físicos, as empresas podem se adaptar com estratégias antecipadas que identifiquem riscos importantes e instalem medidas de mitigação. Elas podem fazer uso de técnicas de modelagem para compreender a sua vulnerabilidade à evolução dos padrões climáticos e construir um kit de ferramentas de gestão de risco sob medida.

A adaptação aos riscos climáticos físicos é uma oportunidade para implantar práticas sustentáveis, como a descentralização das cadeias de abastecimento. Por exemplo, as empresas vulneráveis a quedas de energia podem investir em painéis solares no telhado e outras formas de geração de energia distribuída com baixo teor de carbono.

 

 

2) Descarbonizar em toda a cadeia de abastecimento

Cada vez mais, as empresas estão examinando as emissões de gases do efeito estufa em suas cadeias de abastecimento. Em 2017, a Apple estabeleceu critérios de sustentabilidade novos e  mais rigorosos para os seus fornecedores. No mesmo ano, o Walmart anunciou planos para cortar um bilhão de toneladas de emissões de gases do efeito estufa de sua cadeia de abastecimento até 2030.

Existe um grande potencial de descarbonização nas cadeias de abastecimento. O Climate Action Navigator da Oliver Wyman mostra que a produção de materiais sozinha responde por 25% do uso global de energia e que a mudança para um uso mais sustentável de materiais tem potencial de redução das emissões até o equivalente a 1,6 gigatons de dióxido de carbono anualmente até 2030. Isso pode incluir a adoção da recirculação de materiais e a descoberta de eficiências materiais, como suporte à resiliência climática de uma empresa, especialmente quando o acesso a matérias-primas como gás hélio e lítio se torna menos seguro.

As empresas também podem cortar as emissões da cadeia de abastecimento mudando para opções de transporte com emissões baixas ou zero: 15% das emissões de gases do efeito estufa são derivadas do transporte, com mais da metade proveniente de caminhões, trens, aeronaves e navios.

 

3) Buscar proativamente as oportunidades da transição para o carbono zero

É benéfico para as empresas ficar um passo à frente da regulamentação, das preocupações do investidor e das atitudes do consumidor para evitar que sejam pegas de surpresa em um mundo em que a sustentabilidade está no centro das atenções. É por isso que a maioria das empresas mais resilientes ao clima não somente se preparam defensivamente para os impactos da mudança climática – elas criam estratégias ofensivas que levam em conta os riscos e abraçam as oportunidades.

De acordo com o relatório de 2017, Quão resiliente ao clima é a sua empresa? Atendendo a um imperativo comercial crescente: “A mudança para a descarbonização levará a mudanças estruturais em toda a economia. As empresas que se adaptam de modo proativo a essas mudanças terão vantagens competitivas poderosas”.

Isso significa algo diferente para cada empresa, mas requer que os líderes superem o pensamento de curto prazo e invistam em tecnologias, operações e ativos sustentáveis que tenham um futuro evidente na economia de baixo carbono: desde o hidrogênio até a captura do carbono.

Uma das maiores mudanças individuais que uma empresa pode fazer para cortar as suas emissões é mudar para fontes renováveis e outras fontes de energia de baixo carbono: o aumento da energia de baixo carbono é responsável por cerca de 30% da ‘lacuna de emissões’, com o potencial de reduzir o equivalente a quase 10 gigatons de dióxido de carbono anualmente até 2030. A troca para um fornecedor de energia renovável torna uma empresa menos vulnerável à volatilidade dos preços de petróleo e gás, ao mesmo tempo em que cria credibilidade ecológica entre investidores e consumidores.

A luta com a crise climática é um jogo de soma zero. Se as empresas tomarem decisões inteligentes para construir resiliência, elas podem prosperar no longo prazo, enquanto desempenham um papel positivo em um dos maiores desafios dos nossos tempos.

Que saber a Classificação de Risco ESG do seu negócio?

Clique no botão para solicitar avaliação gratuita

Quer saber mais sobre os riscos ESG?

Deixe seus dados e enviaremos conteúdos de grande valor para a sua organização.