Mapa de Risco Político 2020: atualização semestral

A covid-19 complicou um cenário de risco político já volátil. Os pontos de conflito geopolíticos que destacamos em março de 2020 não desapareceram.

Diante desse cenário, a Marsh publicou o Mapa de Risco Político 2020: Atualização Semestral, fornecendo classificações de risco para 197 países sobre nove perigos que passam pelo ambiente de segurança, negócios e investimento de janeiro a julho de 2020. Os dados são extraídos do World Risk Review, nossa plataforma de risco.

Nosso mapa é interativo para que você possa verificar as classificações de risco para os países nos quais está fazendo negócios ou considerando para o futuro.

  • High risk
  • 8.1-10.0
  • 6.1-8.0
  • 4.1-6.0
  • 2.1-4.0
  • < 2.1
  • Low risk
  • No Data

Os impactos econômicos e sociais da pandemia estão provocando mudanças significativas no risco político global - introduzindo novas dinâmicas e acelerando megatendências geopolíticas existentes, como o protecionismo comercial e a transição para uma ordem mundial multipolar.

O aprofundamento da rivalidade sino-americana se acelerou desde o surgimento do coronavírus. A politização das relações comerciais e de investimento estendeu-se à saúde pública, com os líderes de ambos os países rotineiramente culpando o outro pela pandemia.

A cooperação entre a China e os Estados Unidos na pandemia tem sido fraca e as tensões aumentaram em relação a Hong Kong SAR, Taiwan e o Mar do Sul da China. Nossa expectativa de que as empresas de tecnologia serão cada vez mais apanhadas no fogo cruzado está se concretizando, enquanto os países se encontram sob pressão geopolítica para escolher um lado.

Em julho de 2020, o governo do Reino Unido anunciou que a tecnologia da empresa chinesa Huawei seria banida de suas redes 5G. Com a aproximação da eleição presidencial dos EUA, as relações provavelmente se deteriorarão ainda mais.

Fora da rivalidade EUA-China, nos últimos meses assistiu-se a um confronto sino-indiano no Himalaia, no qual pelo menos 20 soldados foram mortos. As tensões na península coreana também devem aumentar, com a Coréia do Norte cortando as linhas de comunicação com o Sul e explodindo um escritório conjunto em junho de 2020.

O foco internacional na covid-19 também pode mascarar as tensões latentes entre o Irã e os EUA. As relações entre os dois países continuam fracas, após o ataque de drones dos EUA em janeiro de 2020, que matou um importante general iraniano.

Em julho, dois caças americanos se aproximaram de um avião de passageiros iraniano no espaço aéreo da Síria e, dias depois, os guardas revolucionários do Irã dispararam um míssil contra uma réplica de porta-aviões no Estreito de Ormuz.

AMÉRICAS

Mais da metade dos países do continente aumentaram sua classificação de risco econômico em mais de 1 entre janeiro e julho de 2020. As medidas de contenção da pandemia congelaram a atividade econômica em muitos estados, enquanto alguns enfrentaram o colapso da receita do turismo ou preços fracos das commodities no mundo. 

No Brasil, a dinâmica política é dominada pela abordagem laissez-faire do presidente atual em relação ao vírus, o que contribuiu para seu isolamento político. 

No México, o governo federal contrariou uma tendência global de grandes medidas de estímulo, em vez de promover a austeridade. Por último, a pandemia complicou o ambiente político do Chile: as medidas de bloqueio desaceleraram os protestos, mas um referendo sobre a constituição previsto para outubro pode gerar nova instabilidade.

IMPACTO ECONÔMICO MUNDIAL

Desde janeiro de 2020, todos os 197 países avaliados pela World Risk Review da Marsh viram seu risco econômico aumentar, em comparação com apenas 60 países no mesmo período em 2019. Além disso, as classificações de risco aumentaram em uma magnitude maior em comparação com o mesmo período ano passado.

Entre janeiro e julho de 2019, 97% das classificações de risco econômico que aumentaram tiveram crescimento entre 0,1 e 0,4, em comparação com apenas 7% em 2020 (ver Figura 1). Em 2020, 40% das avaliações aumentaram entre 1 e 1,4. Nenhuma pontuação aumentou nessa magnitude em janeiro-julho de 2019.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) prevê que a economia global encolherá 4,9% em 2020. Com muitos governos procurando aliviar as medidas de bloqueio da pandemia, a atenção está voltada para a forma e o tamanho da recuperação econômica.

Uma recuperação é difícil de prever, no entanto, dada a incerteza significativa sobre a capacidade dos governos de conter e gerenciar a covid-19, particularmente, sem uma vacina.

As últimas semanas expuseram esses desafios. Embora os dados econômicos da Europa tenham mostrado uma tentativa de recuperação, os temores de uma segunda onda de infecções ainda podem minar o ímpeto.

Como resultado, a recuperação pós-covid-19 provavelmente será desigual entre os países e setores. Os países que entraram na crise com fundamentos mais fracos provavelmente enfrentarão cicatrizes econômicas mais profundas, enquanto aqueles capazes de implantar grandes pacotes fiscais e gerenciar o vírus com eficácia estão em melhor posição para a recuperação.

As tensões comerciais também tendem a se ampliar, se ou quando uma recuperação econômica global ocorrer. Os impulsionadores do aumento do protecionismo comercial permanecem em vigor e provavelmente serão exacerbados pela deterioração das relações EUA-China durante a pandemia. O acordo comercial de primeira fase alcançado entre os dois Estados corre o risco de ser abandonado, apresentando riscos para uma recuperação pós-covid-19 nos volumes do comércio global.

Com algumas exceções, os mercados emergentes (MEs) se beneficiarão de um retorno recente à estabilidade nos mercados financeiros globais, permitindo que a maioria deles evite as graves pressões no balanço de pagamentos causadas por rápidas saídas de capital.

No entanto, a sustentabilidade da dívida de longo prazo em muitos EMs será enfraquecida pela pandemia, à medida que os governos aplicam gastos adicionais e a fraca atividade econômica prejudica as receitas.

Em alguns casos, como na África do Sul, a covid-19 exacerbou as debilidades existentes nas finanças públicas, enquanto a queda simultânea nos preços globais das commodities também atingiu muitos países produtores de petróleo.

As finanças governamentais tensas também podem levar alguns governos a buscar fontes alternativas de receita, possivelmente levando a alterações de contratos ou expropriação em setores mais lucrativos.

As mudanças regulatórias podem aumentar os royalties do governo, potencialmente enfraquecendo os ambientes operacionais.

A pandemia provavelmente aumentará os riscos de crédito soberano nos próximos trimestres. Muitos países implementaram amplos pacotes de estímulo fiscal para apoiar o setor privado, financiar gastos adicionais com saúde e investir em uma recuperação pós-covid-19, tudo em um momento de redução das receitas do governo.

Para muitos EMs, isso pesará na sustentabilidade da dívida. No primeiro semestre de 2020, um terço das ações de ratings soberanos da Moody's relacionadas à covid-19 e todos os soberanos rebaixados eram EMs.

 

Sobre este relatório

Esta atualização do Mapa de Risco Político 2020 se baseia em dados da plataforma World Risk Review, da Marsh. Nossa plataforma de risco/país oferece classificações de risco para 197 países sobre nove perigos que abrangem os ambientes de segurança, negociação e investimento. As classificações são atualizadas mensalmente e funcionam na escala de 0,1-10. 10 representa o risco mais alto, 0,1 o risco mais baixo.

Todas as classificações de risco referenciadas neste relatório foram produzidas pela World Risk Review. A classificação de risco econômico do país é um indicador da propensão para ajuste econômico, incluindo desvalorização significativa e/ou inflação alta e aumentos no nível de inadimplência de crédito entre as empresas nacionais. O índice de perigo de risco econômico do país avalia o risco de instabilidade econômica e os efeitos potenciais que isso pode ter sobre as empresas que operam no país ou território.