Mapa de risco político 2021: A recuperação pós-pandemia exacerba os riscos para a América Latina

Se em 2020 os governos latino-americanos se concentraram nas respostas de saúde à pandemia da covid-19, 2021 será sobre a resposta econômica e a recuperação.

De políticos jantando fora durante confinamentos a diferenças substanciais nas taxas de mortalidade entre grupos raciais e étnicos em muitos países, os cidadãos comuns estão cientes de que estão sendo solicitados a fazer sacrifícios que aqueles com riqueza e poder podem evitar. Os governos devem lidar com os aumentos de impostos e cortes nos benefícios sociais ao longo do próximo ano.

Protestos e tumultos geralmente resultam da desigualdade. Os protestos em massa começaram no Chile em 2019 devido ao aumento dos custos de transporte, mas o que sustentou a agitação foi a demanda para lidar com as desigualdades sociais.

Na América Latina, os problemas de segurança alimentar estão contribuindo para o aumento do risco político. O problema não é a produção de alimentos, mas o poder de compra, que pode ser um ponto crítico no futuro para greves, motins e outros tipos de agitação civil. Uma consequência de tais problemas: a dívida pública tem menos probabilidade de ser paga, pois as pressões populistas podem fazer com que os governos latino-americanos priorizem o alívio econômico em relação ao pagamento da dívida externa.

Uma das chaves para a recuperação econômica na América Latina e outras regiões é a distribuição de vacinas da covid-19. Com os Estados Unidos liderando o desenvolvimento de vacinas e distribuindo doses agressivamente em 2021, surgiu o fenômeno da “diplomacia de vacinas”. Os Estados Unidos, Japão, Índia e Austrália ratificaram um acordo que fornecerá vacinas da covid-19 em toda a Ásia até o final de 2022. Isso pode servir para conter a crescente influência da China em nível regional, conforme o governo Biden busca consolidar na Ásia os valores democráticos dos demais países, mantendo a cooperação por meio de ameaças cibernéticas e de segurança com parceiros na Ásia e no Pacífico. O declínio da dependência da China na Ásia-Pacífico pode comprometer partes importantes da grande estratégia chinesa.

Uma recuperação global dos preços das commodities deve dar às economias latino-americanas baseadas em recursos algum espaço para respirar em 2021, embora o principal impulsionador disso não seja o crescimento da China para atingir os níveis pré-pandêmicos. Mais uma vez, o novo governo dos Estados Unidos terá a oportunidade de reafirmar a política externa e econômica dos Estados Unidos, em que os chineses substituíram os Estados Unidos em quase todos os lugares como parceiro comercial predominante da América Latina.

Além dos Estados Unidos, várias nações latino-americanas terão transferências de poder em 2021. Argentina e México enfrentam eleições de meio de mandato nas quais os líderes políticos podem inclinar-se para os gastos internos em vez de embarcar em reformas fiscais tão necessárias. Historicamente, a política na América Latina oscilou como um pêndulo, indo para a extrema esquerda, depois para a extrema direita e vice-versa. A combinação de pandemia, incerteza em relação às vacinas, ausência de reformas estruturais e outros fatores cria um ambiente político imprevisível.

Brasil

Uma resposta mal coordenada à covid-19 deixou o Brasil com o segundo maior número de casos do mundo, e agora outro aumento está ocorrendo. A insatisfação com o atual governo brasileiro sobre sua resposta à pandemia e os altos custos de vida aumentam o risco de interrupções na cadeia de suprimentos em vários setores. Portanto, não é surpreendente que motins, greves e distúrbios civis continuem sendo o maior risco para o Brasil.

Em fevereiro de 2021, o governo substituiu o chefe da estatal Petrobras, depois de criticar os altos preços dos combustíveis da empresa, já que o governo não podia permitir uma greve paralisante dos caminhoneiros, o principal meio de transporte do país. O governo também tem planos provisórios para intervir no setor de energia do Brasil, uma tendência que pode continuar enquanto luta para melhorar as chances de reeleição (um eco assustador dos eventos em andamento no México, de tendência esquerdista). As medidas estão alimentando os temores dos investidores de um retorno à intervenção do governo estadual.

O atual governo do Brasil está buscando a reeleição em 2022, mas isso está longe de ser garantido, pois a popularidade do partido está caindo. Para aumentar suas chances, o partido está tentando empurrar outra rodada de transferência de dinheiro para os mais pobres do país, ameaçando aumentar ainda mais o risco de crédito público.

Apesar dos problemas com a pandemia, o desempenho econômico do Brasil parece estar melhorando. Assim que a economia se estabilizar, o país pode atrair mais investimento estrangeiro e abrir oportunidades para um maior desenvolvimento. O Brasil fez reformas em seu sistema previdenciário, o que deve ajudar a torná-lo mais sustentável, e flexibilizou as regulamentações sobre a propriedade privada de infraestruturas essenciais, como aeroportos, rodovias e ferrovias. No entanto, o protecionismo comercial continua alto.

 

México

A covid-19 terá uma grande influência nas perspectivas políticas e econômicas do México em 2021. A recuperação econômica da pandemia teve um início tardio, com o governo fornecendo alívio modesto ao setor empresarial apenas nos últimos meses. Medidas de austeridade, um aumento de 15% no salário mínimo e um plano para tributar as maiores corporações provavelmente criarão condições operacionais difíceis para as empresas que operam no México.

As pesquisas mostram que os índices de aprovação do atual governo estão caindo constantemente desde o pico no primeiro trimestre de 2019, com quase 80%. Em dezembro de 2020, 61% dos mexicanos aprovavam o desempenho do governo. As eleições de meio de mandato em 2021 podem enfraquecer o controle do partido da maioria, potencialmente prolongando a recuperação do México da pandemia e prejudicando sua capacidade de combater problemas sistêmicos, como crime organizado e corrupção. A competição e os conflitos entre grupos do crime organizado, principalmente nas rotas do tráfico de drogas, podem levar a mais extorsões, roubos, sequestros e ataques a empresas.

As classificações WRR do México mostram um aumento acentuado em seu risco de rejeição do acordo contratual, de 6,3 em janeiro de 2020 para 6,9, uma vez que a administração atual expressou uma clara preferência por empresas estatais. Essa preferência ficou evidente entre junho e setembro de 2020, com o governo sistematicamente rescindindo contratos de projetos renováveis que envolviam investimentos estrangeiros e privados que dependiam de recursos energéticos do Estado.

A possibilidade de um retrocesso nas reformas energéticas do México, que foram promulgadas durante as administrações anteriores e permitiram investimentos estrangeiros e privados significativos nos setores de petróleo e geração de energia do país, continua sendo uma ameaça. Com uma infinidade de regulamentações que as empresas privadas devem cumprir, o México tem uma das maiores cargas regulamentares do mundo.

Outro fator para a recuperação econômica do país é a dependência dos Estados Unidos, que respondem por 83% das exportações. Como resultado, o crescimento do México reflete em grande parte o de seu maior parceiro comercial. A recuperação nos Estados Unidos ajudará a impulsionar as perspectivas no México, especialmente porque o acordo entre Estados Unidos, México e Canadá, que garante o acesso isento de impostos ao mercado americano, está dando frutos.

Palceholder for Pardot Form

Source path:

https://go.pardot.com/l/395202/2020-08-18/bmwxff