Informe de Riesgo Político 2022

Os riscos crescem à medida que o espaço é preenchido

Em 1960 havia dois países investindo no espaço; em 2006 eram 47; existem atualmente cerca de 70, e em poucos anos serão mais de 80.

A satellite orbiting the Earth in space

Mais de 4,550 satélites operacionais estão atualmente em órbita ao redor da Terra (veja Figura 1). Em 1960, havia dois países investindo no espaço; em 2006, eram 47; hoje, são cerca de 70; e em poucos anos serão mais de 80. Apenas uma empresa, a Starlink, pretende lançar 12.000 satélites para capacitar suas conexões globais de internet de banda larga. 

Figura1:

Países con satélites

Fonte: UCS (animated version on JuxtaposeJS)

A evolução da economia espacial e a militarização das órbitas estão reconfigurando esse ambiente. A economia espacial é, atualmente, baseada em maior acessibilidade e digitalização. Muitos países podem realizar missões voltadas para coleta de inteligência, navegação e comunicações militares, o que significa que a militarização das órbitas representa uma ameaça crescente, que pode impactar a diplomacia e desencadear conflitos. Uma maior acessibilidade ao espaço aumenta este risco. A redução nos custos de lançamento, de US$ 18.500 por quilograma enviado em órbita entre 1970 e 2000 para menos de US$3,000 hoje – foi alcançada em parte graças à reutilização de “tecnologias facilitadoras”, como foguetes, combinada com a miniaturização de componentes. Por exemplo, plataformas de petróleo offshore desativadas têm sido usadas como portos espaciais, e algumas algumas estão sendo convertidas em plataformas de lançamento ágeis para a indústria privada. Além disso, o surgimento de novos tipos de armas hipersônicas, cuja trajetória inclui um segmento exo-atmosférico, está causando preocupação. O que havia sido uma competição bipolar no século passado, viu a entrada da China e a urgência de fazer acordos nesse sentido.

O valor da indústria espacial disparou nos últimos anos. A órbita baixa da Terra é espaçosa e pode abrigar 100.000 satélites na próxima década, mas quem chegar primeiro pode pegar as órbitas mais estratégicas. Em 2017, o valor total do setor foi de cerca de US$383,000 bilhões, sustentado por gastos públicos de US$ 76 bilhões. De acordo com Morgan Stanley e Merrill Lynch, o negócio espacial atingirá um valor entre US$1.1 trilhão e US$2.7 trilhões até 2040. Em 2019, 41% dos 100 maiores capitalistas de risco tinham um ou mais investimentos no setor espacial. Agora, o “Novo Eldorado” está chegando ao limite – a massa de serviços e aplicativos inovadores e de valor agregado derivados da infraestrutura extraterrestre está aumentando. Os exemplos atuais, que vão da agricultura ao monitoramento de infraestrutura, são apenas uma fração de um negócio cujo potencial só agora está sendo imaginado.

Como parte do expansionismo espacial, os detritos orbitais, ou “lixo espacial”, estão aumentando, com consequências imprevisíveis (veja a Figura 2). A Rede de Vigilância Espacial (SSN) do Departamento de Defesa dos EUA rastreouo mais de 27,000 pedaços de detritos orbitais. Muitas outras peças – pequenas demais para serem rastreadas por sensores SSN, mas ainda capazes de representar ameaças significativas às missões espaciais, povoam o ambiente espacial próximo à Terra. A La Agência Espacial Europea (ESA) estima a presença em órbita de 36.500 objetos artificiais maiores que 10 centímetros, um milhão entre 01 e 10 centímetros e 330 milhões entre 01 milímetro e 01 centímetro.

De acordo com o Tratado do Espaçio Exterior de 1967, a base da lei espacial internacional, cada país continua sendo o proprietário de qualquer objeto lançado no cosmos, mesmo depois de reduzido a migalhas. Um governo só pode ser responsabilizado se o dano for devido a sua culpa ou culpa de pessoas por quem é responsável. Em 1978, a queda do satélite soviético Kosmos 954, movido a energia nuclear, em território canadense, levou à única reclamação apresentada sob a subsequente Convenção de Responsabilidade Espacial de 1972.

Figura 2:

O número de satélites comerciais em órbita baixa da Terra (entre 200 km e 1.750 km) está em crescimento continuo

Fonte: ESA

Em janeiro de 2022, a Administração Espacial Nacional da China tornou público o encontro de curta distância – a uma distância de apenas 14,5 metros – entre o satélite científico Tsinghua e os destroços do satélite russo Kosmos 1408. Os riscos se multiplicaram depois que um teste antissatélite russo em novembro de 2021 criou uma infinidade de detritos – cerca de 1.600 peças com mais de dez centímetros de largura – em uma órbita entre 400 e 1.100 quilômetros da Terra. Em janeiro de 2007, a China tornou-se o terceiro país a realizar um teste antissatélite bem-sucedido (o primeiro desde que os EUA e a União Soviética concluíram os testes na década de 1970), lançando um míssil balístico a uma altitude de mais de 850 km e destruindo um satélite meteorológico. A explosão gerou mais de 2.000 pedaços de detritos espaciais do tamanho de bolas de golfe ou maiores. As velocidades orbitais são extremamente altas, aproximadamente 25.270 km/h em órbita baixa da Terra, o que seria suficiente para circundar a Terra no equador em, aproximadamente, uma hora e 40 minutos. Isso significa que o impacto de até mesmo um pequeno pedaço de lixo espacial pode danificar seriamente os equipamentos em órbita e arriscar desencadear conflitos internacionais..

A corrida espacial planetária também é diversa em termos de riscos políticos, incluindo a regulação de componentes sujeitos a dupla utilização, a revogação de licenças e contratos para preservar os interesses estratégicos de um país e eventos semelhantes à expropriação se uma base de lançamento ou infraestrutura de apoio está localizada em países terceiros. A relocalização das bases de lançamento já está ocorrendo para permitir que os países se favoreçam com infraestrutura e tecnologia para criar sua própria política espacial e evitar riscos de transporte em terra. Em 2022, espera-se que um satélite seja lançado de um espaço-porto no Reino Unido pela primeira vez.  

A extração de recursos no espaço também pode gerar conflitos e já está promovendo novas colonizações para buscar recursos comercialmente exploráveis e oferecer uma gama de serviços a diferentes clientes. O multilateralismo parece limitado agora pela aceleração da corrida pelo espaço e pela redução de custos. Nos próximos anos, espera-se que a atividade humana baseada no espaço aumente. No entanto, uma militarização perigosa poderia transformar uma imensa oportunidade de desenvolvimento em uma dimensão inexplorada de confronto geopolítico entre velhas e novas potências.

Figura 3:

Detritos espaciais de vários tipos estão aumentando em todas as órbitas

Fonte: ESA

Relatorio

Relatorio de Risco Político 2022

Leia o relatório completoo.

 

 

 

Artigos relacionados