25 riscos que Recursos Humanos e empresários devem abordar juntos

Durante a pandemia da covid-19, os riscos humanos ocuparam um lugar de destaque na agenda corporativa.

Multi-ethnic business people smiling during a meeting in conference room. Team of professionals having meeting in boardroom.

Durante a pandemia da covid-19, os riscos humanos ocuparam um lugar de destaque na agenda corporativa. À medida que o vírus começou a se espalhar, muitas organizações reavaliaram rapidamente sua abordagem para apoiar sua força de trabalho, pois ficou ainda mais claro o quão importante os colaboradores são para a saúde geral de um negócio.

A pandemia fez com que os planos de saúde, a proteção contra riscos e o bem-estar dos colaboradores deixassem de ser simples benefícios oferecidos pelo empregador para se tornarem um pilar central da proposta de valor da empresa. Os CEOs estão reconhecendo o impacto que o bem-estar pode ter na continuidade dos negócios, na segurança, na experiência do cliente, e até mesmo no risco de uma pessoa-chave. Na verdade, com base em nossa pesquisa sobre tendências de talentos, esta é a questão número um levantada pelos conselhos de administração.

Na Mercer Marsh Benefícios (MMB), o risco das pessoas é o nosso negócio. Classificamos 25 riscos de pessoas em cinco categorias principais, para que as organizações possam identificar, priorizar e gerenciar as ameaças que são mais relevantes para elas, e tomar as medidas adequadas.

Saúde e segurança

1. Deterioração da saúde mental: Problemas de saúde mental da força de trabalho (como ansiedade, estresse, depressão e vício) podem levar a um baixo bem-estar e produtividade, e aumentar os gastos com benefícios, marca empregadora e proposta de valor.

2. Esgotamento da força de trabalho: Excesso de trabalho devido à falta de equilíbrio entre vida profissional e pessoal, fadiga das mudanças e o surgimento de prioridades e distrações geralmente levam a erros, alta rotatividade de funcionários, produtividade reduzida e reputação prejudicada.

3. Doenças não transmissíveis: Doenças crônicas não tratadas, incluindo diabetes, doenças pulmonares e câncer, afetam a continuidade dos negócios, os custos operacionais e o desempenho geral individual e organizacional.

4. Doenças transmissíveis: A propagação de doenças infecciosas (incluindo futuras pandemias) afeta a continuidade dos negócios e leva a altos custos operacionais e queda no desempenho, tanto no nível individual quanto no empresarial.

5. Doença ou lesão relacionada ao trabalho: Acidentes, exposições inseguras, incidentes de segurança ou agravamento das condições pré-existentes em um ambiente de trabalho (no local ou remoto) podem levar a penalidades, danos à marca e relações ruins com os funcionários.

Práticas de talentos

6. Atração, retenção e engajamento de talentos: Incapacidade de criar um forte portfólio de talentos, uma proposta de valor para o trabalho e as oportunidades de crescimento necessárias para sustentar e motivar a força de trabalho.

7. Comportamento e cultura: Conduta imprópria, incluindo intimidação, assédio, comportamento perigoso e fraude, ou culturas no local de trabalho que incentivam comportamentos desalinhados com os valores corporativos ou ilegais e antiéticos podem prejudicar seriamente a reputação da empresa e até mesmo levar a ações judiciais caras.

8. Risco de sucessão e pessoa-chave: A falta de profundidade no plano de sucessão e os riscos de drenagem de talentos podem fazer com que uma empresa fique fortemente dependente de pessoas-chave e causar sérios transtornos se essa pessoa não puder trabalhar.

9. Mudança da natureza do trabalho: Questões associadas ao trabalho flexível, trabalhadores contratados, adoção de tecnologia e mentalidades de crescimento criam novos desafios de negócios em áreas como inovação e gestão da força de trabalho.

10. Viagem e mobilidade: Viagens de negócios e atribuições internacionais criam mais problemas de risco, como gerenciamento / evacuação de crises, insatisfação de colegas / negócios e dever de cuidado.

Digitalização acelerada

11. Desalinhamento de RH e estratégia de negócios: Planejamento da força de trabalho, gestão de mudança organizacional, tecnologias e processos de RH / benefícios que não são consistentes com a visão estratégica de negócios geram mensagens confusas, níveis mais baixos de confiança nos negócios, lacuna de habilidades e desalinhamento de talentos.

12. Habilidades obsoletas: Lacunas nos conjuntos de habilidades da força de trabalho devido à rápida digitalização e automação resultam em metas de negócios perdidas.

13. Segurança cibernética: Crimes cibernéticos cada vez mais sofisticados e frequentes, incluindo aqueles decorrentes de processos de gerenciamento de pessoas e fornecedores, levam à interrupção dos negócios e danos à marca.

14. Privacidade de dados: Violações que causam a perda ou uso indevido de informações pessoais, incluindo aquelas derivadas dos processos de gestão de pessoas e fornecedores.

15. Tecnologias obsoletas de RH: Falha em capitalizar os avanços tecnológicos que tornam as atividades, os benefícios e a saúde de RH mais personalizados, convenientes e seguros resultam em baixo desempenho.

Meio ambiente e social

16. Diversidade, justiça e inclusão: Falta de um local de trabalho inclusivo cria risco de reputação entre funcionários, clientes e outras partes interessadas.

17. Meio ambiente: Mudanças climáticas e degradação ambiental levam ao enfraquecimento da marca empregadora, impacto no local de trabalho (como inundações e incêndios) e problemas de saúde da força de trabalho (como fome, alergias e aumento de doenças transmitidas pela água).

18. Relações trabalhistas: Alto volume de reclamações no local de trabalho, percepção de cultura indiferente ou falta de um objetivo comercial desejável levam a custos operacionais mais altos, experiência ruim do cliente e questões de responsabilidade social.

19. Agitação social: Fatores como instabilidade política, desilusão dos jovens e disparidades crescentes podem levar a perdas de produtividade e danos à marca.

20. Eventos catastróficos da vida pessoal: Eventos pessoais catastróficos, como morte, doença crítica ou invalidez, destacam as lacunas da organização nas medidas de proteção de benefícios patrocinados pelo empregador e, portanto, questões de reputação.

Governança e finanças

21. Aumento dos custos de saúde, proteção contra riscos e benefícios de bem-estar: Aumento dos gastos devido a fatores como redução do apetite da seguradora por risco, inflação médica, aumento da utilização e a duração e gravidade das reclamações afetam os prêmios de benefícios dos funcionários e trazem outros custos.

22. Riscos financeiros de pensão: Riscos de investimento, inflação e longevidade afetam os compromissos financeiros do patrocinador com os planos de aposentadoria (balanço patrimonial, caixa e despesas) e a adequação das poupanças individuais para a aposentadoria.

23. Administração e agente fiduciário: Incapacidade de administrar planos de forma precisa e justa, de acordo com as promessas feitas, ou administrar com prudência programas e fundos mútuos de benefícios a funcionários resultam em erros e obrigações não cumpridas.

24. Legal & Compliance: Desalinhamento de benefícios e outras práticas e programas de RH com requisitos regulatórios, fiscais, trabalhistas e de direitos humanos resultam em multas, penalidades e litígios.

25. Tomada de decisão e responsabilidade pelos benefícios: Desenho do plano de benefícios, financiamento, seleção e gerenciamento de fornecedores, decisões de comunicação e gerenciamento inadequados devido à falta de controles e especialização resultam em custos, responsabilidades e compromissos insatisfatórios.

Embora as empresas devam considerar cada um desses 25 riscos, cada uma delas terá prioridades diferentes. Por exemplo, o meio ambiente e as mídias sociais são muito importantes agora em bens de consumo, enquanto a digitalização acelerada é crítica em serviços financeiros. Vemos a manufatura e o setor automotivo com foco em governança e finanças, enquanto as práticas de talentos estão na moda nos setores de tecnologia, ciências biológicas e varejo / atacado. Não importa o setor, como resultado da pandemia, saúde e segurança são as coisas mais importantes para todos!

Conclusão

A pandemia destacou a saúde física, mental, social e financeira dos trabalhadores. Assim, a capacidade de uma empresa de aplicar uma abordagem de gerenciamento de risco corporativo para lidar com essas ameaças e fornecer um ambiente de trabalho seguro e de suporte será crítica para proteger as operações de negócios, receita, reputação e aquisição de talentos.

A estrutura de 25 Riscos é uma ótima maneira de pensar sobre as forças macroeconômicas que sua empresa está enfrentando e de explorar os riscos. Também pode ajudar as equipes de RH e de gerenciamento de risco a articular com os líderes de negócios e em conversas no nível do conselho as consequências de não agir agora no que diz respeito a esses riscos.

Conteúdo relacionado