Skip to main content

Blog

O tempo está se esgotando na ação climática

No segundo dia da Reunião Anual do Fórum Econômico Mundial, os líderes discutiram como o tempo está se esgotando para fechar a lacuna de emissões e limitar o aquecimento global a 1,5°C.

Raging forest spring fires. Burning dry grass, reed along lake. Grass is burning in meadow. Ecological catastrophy. Fire and smoke destroy all life. Firefighters extinguish Big fire. Lot of smoke

No segundo dia da Reunião Anual do Fórum Econômico Mundial, os líderes discutiram como o tempo está correndo para o fechamento da lacuna de emissões e para limitar o aquecimento global a 1,5°C.

A guerra na Ucrânia desencadeou uma crise energética global que delineou drasticamente a necessidade das economias de colocar à prova o seu suprimento de energia. Ao mesmo tempo, a escalada da mudança climática torna a ação até mais urgente.

Ambos os problemas exigem uma revisão geral radical de nossos sistemas energéticos, mas as emissões de carbono globais se recuperaram em 6% em 2021 quando emergíamos da pandemia, para alcançar seu nível anual mais alto.

 

A transição verde

Os formuladores de políticas estão agindo: Ursula von der Leyen, presidente da Comissão Europeia, por exemplo, resumiu na terça-feira como o Pacto Ecológico Europeu ajudaria a União Europeia a acelerar a transição energética limpa do bloco.

Mas os palestrantes ao longo do dia transmitiram uma mensagem incisiva: os governos têm muito mais coisas a fazer. John Kerry nos lembrou como, na cúpula da COP26 em Glasgow no ano passado, os países que representavam 65% do PIB global firmaram compromissos de que veriam um aumento da temperatura global de 1,8°C, de acordo com a Agência Internacional de Energia.

O foco agora deve ser persuadir os países que compõem os 35% restantes do PIB global a firmar compromissos semelhantes que trariam esse número para abaixo de 1,5°C – e garantir que esses compromissos sejam devidamente implantados por todas as partes interessadas.

Frans Timmermans, vice-presidente da Comissão Europeia, nos lembrou que o mundo enfrenta uma crise de biodiversidade, assim como uma crise climática – um assunto explorado pelo relatório recente da Mercer, “À beira da biodiversidade”.

A crise de biodiversidade ainda não está sendo tratada como urgente como a crise climática, mas ela requer atenção significativa dos formuladores de políticas e investidores.

Estima-se que a perda de biodiversidade global deva ser de 100 a 1.000 vezes maior do que a taxa de extinção natural que ocorre, uma perda que já está causando um impacto significativo em tudo, desde a segurança alimentar até a saúde.

 

Medindo o ESG

Uma das discussões do dia se concentrou em como as empresas podem medir melhor seus fatores ambientais, sociais e de governança (ESG) para promover mais a transparência e a comparabilidade, que são cada vez mais importantes para investidores e seguradoras.

“A contabilidade é importante, mas não é o que conta”, disse Emmanuel Faber, presidente do Conselho Internacional de Padrões de Sustentabilidade (ISSB) durante a discussão.

O setor de seguros pode desempenhar um papel de liderança no combate a isso, adotando uma perspectiva de longo prazo sobre risco e valor.

Um tema importante foi a necessidade de empresas e formuladores de políticas continuarem a trabalhar visando um conjunto de padrões globais sobre relatórios ESG em diferentes jurisdições. Atualmente, padrões complexos para divulgação de ESG estão tornando os relatórios proibitivamente caros para muitas empresas, em especial as de pequeno e médio porte.

Também ouvimos líderes que trabalham para acelerar os projetos de “ecoempreendedor” em resistência hídrica e conservação das árvores, e ouvimos palestrantes do painel discutindo quais inovações radicais ajudariam as grandes empresas. Como disse Mark Benioff, diretor executivo da Salesforce: “Estamos prontos para um novo capitalismo ambiental”.

Com o crescimento do foco na natureza, as seguradoras estão começando a olhar para o papel que as soluções com base na natureza podem desempenhar na proteção contra alguns dos impactos da mudança climática. As empresas devem tomar conhecimento dessas inovações para determinar seu próprio perfil de risco de mudança climática.

Quer saber mais sobre os riscos ESG?

Deixe seus dados e enviaremos conteúdos de grande valor para sua organização.