Skip to main content

Artigo

Risco de natureza e a estrutura de relatório emergente

Um guia para a estrutura TNFD – uma estrutura global para gerenciar a natureza.

Ob River Flood June 2015 Aerial View of same houses in vicinity of Nizhnevartovsk, Tyumen region, Russia. Aerial view of the residential area of the suburb of Nizhnevartovsk during the flood of 2015.

A natureza oferece riscos e oportunidades às empresas.

Em 2020, pesquisa do Fórum Econômico Mundial (FEM) indicou que mais da metade do PIB global, US$ 44 trilhões de geração de valor econômico, é moderada ou altamente dependente da natureza e seus serviços. No entanto, as ameaças à natureza estão se acelerando, criando novos riscos para as organizações.

Existe uma vontade internacional significativa de combater a perda da natureza. O Secretariado da Convenção das Nações Unidas sobre Diversidade Biológica (CDB) lançou, em 2021, uma minuta inicial de uma nova Estrutura Global para a gestão da natureza até 2030. Outras alianças globais, como a Rede de Metas Baseadas em Ciência (SBTN) e a Comissão da Terra, identificam pontos de virada, metas baseadas em ciência e orientação para prever e transformar o relacionamento entre empresas, sociedades e natureza. E mais, organizações como a Network of Central Banks and Supervisors for Greening the Financial System (NGFS – Rede de Bancos Centrais e Supervisores para Ecologizar o Sistema Financeiro) colaboraram com os bancos centrais visando mobilizar o financiamento necessário para essa transição para uma economia positiva para a natureza.

Embora muito disso seja orientação e melhores práticas nos tempos atuais, esperamos ver mais regulamentações que possam resultar em empresas sendo levadas a dinamizar suas operações, resultando potencialmente em custos adicionais de conformidade, perda de receita e ativos ociosos, especialmente seguindo o Plano de Resgate da Natureza da ONU, que tem como meta que 30% da superfície da Terra por terra e mar se tornem áreas protegidas até 2030. Em meio a esta incerteza, as empresas deverão pensar a longo prazo sobre como percebem toda a sua cadeia de valor e as suas interfaces com a natureza, impedindo as mudanças no comportamento do consumidor e nas estruturas regulatórias.

Guia sobre estrutura de divulgações financeiras relacionadas à natureza

Artigos Relacionados