Relatorio de Risco Político 2022

Risco político no mar

A maioria se concentra em águas interiores, como projetos hidrelétricos, que podem desencadear conflitos interestatais sobre bacias hidrográficas transnacionais na África ou contribuir para o sobreendividamento soberano.

Fishing vessels on a calm sea in good weather

Os projetos relacionados à água,  planejados ou em andamento, em todo o mundo ultrapassam US$ 185 bilhões em valor. [1]  A maioria se concentra em águas interiores, como projetos hidrelétricos, que podem desencadear conflitos interestaduais sobre bacias hidrográficas transnacionais na África ou contribuir para o sobre endividamento soberano. A água também pode ser canalizada para atender a fábricas e operações de mineração, aumentando assim a agitação social e os riscos de frustração de contrato, pois a escassez de água é talvez a ameaça mais socialmente unificadorae en todo o planeta. Os oceanos representam uma das fronteiras mais promissoras para atender à crescente demanda por alimentos, matérias-primas e até espaço para expansão.

A “aceleração azul” srefere-se ao aumento sem precedentes da atividade econômica no oceano, com seu imenso potencial de exploração. Grande parte da atividade ocorre em zonas econômicas exclusivas (ZEEs), áreas do mar que geralmente se estendem 200 milhas náuticas (230 milhas) além do mar territorial de uma nação, dentro das quais uma nação costeira tem jurisdição sobre recursos vivos e não vivos. Quando ocorre uma sobreposição entre ZEEs, cabe a cada estado decidir a fronteira marítima real, o que gera mais áreas de tensão. A exploração e mapeamento desses recursos é o primeiro passo para a extração de valor econômico e também serve para orientar patrulhas nessas áreas , ajudando  a criar ambientes favoráveis às empresas nacionais e ao comércio internacional (ver Figura 1). Ao estender as jurisdições, as ZEEs têm o potencial de aumentar as tensões políticas.


 [1] Fonte: Fitch Solutions, cálculo por Marsh

[2] Os membros da ASEAN são: Brunei,  Cambodia, Indonesia, Laos, Malasia, Myanmar, Filipinas, Singapúr, Tailandia y Vietnam.

Figura 1:

A extensão do mapeamento do fundo do mar nas zonas econômicas exclusivas dos países varia consideravelmente

A provável mudança para a diversificação das cadeias de suprimentos resultante da crise na Ucrânia – por exemplo, para Austrália, Índia ou Indonésia para substituir as importações da Rússia – poderia aumentar o foco em áreas marítimas já congestionadas, particularmente na região do Indo-Pacífico. O confronto tenso no Mar da China Meridional aumenta os distúrbios crescentes nos ambientes domésticos dos estados costeiros. Esta área tornou-se um ponto de inflamação para a região, já que US$3.4 trilhões em mercadorias passam todos os anos pela "linha de nove traços” de Pequim, uma fronteira não reconhecida internacionalmente, que a China  se apossou de cerca de 85% dessas águas. Há uma frustração crescente com o ritmo lento das negociações entre a Associação das Nações do Sudeste Asiático (ASEAN) e a China, sobre um código de conduta para o Mar da China Meridional, pois os países da ASEAN temem perder ZEEs e direitos de mapear e explorar, levando a um aumento de receitas e influência geoestratégica em benefício da China.[2] Devido à pandemia, não houve negociações presenciais em 2020-21, embora as reuniões virtuais tenham sido retomadas no ano passado. A adesão à ASEAN ajudou os membros a reduzir os atritos e buscar um terreno comum, embora os membros costeiros da ASEAN rejeitem a linha de nove traços.

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) estima que o maior setor da economia oceânica é a indústria offshore de petróleo e gás, que gera um terço do valor agregado por todas as atividades econômicas no oceano. Cerca de 70% dos principais depósitos de hidrocarbonetos descobertos entre 2000 e 2010 estão localizados no fundo do mar e, à medida que os campos em águas rasas (menos de 400 metros) se esgotam, a produção está se movendo para profundidades maiores. Enquanto a exploração offshore greenfield está concentrada em países em desenvolvimento um novo estudo liderado pela Duke University mostra que as empresas offshore multinacionais, que geram mais receita do oceano, geralmente estão sediadas em países de alta renda. A extração offshore é geralmente mais cara, mas também é menos afetada por tensões políticas dentro de cada país. Se a transição energética para uma economia de baixo carbono trouxesse uma redução nas atividades offshore, o impacto nas receitas dos países anfitriões e as consequentes tensões políticas seriam significativos.

A aceleração azul em direção aos recursos oceânicos está alimentando tensões e ambições geopolíticas.

  • A Indonésia perdeu 25 ilhas como resultado da exportação de areia para Cingapura, dando início a negociações de demarcação de fronteiras. A população de Cingapura dobrou nos últimos 30 anos, por isso está armazenando areia, pois suas áreas de construção ficariam saturadas. As recuperações de Cingapura aumentaram a massa de terra em 20%., induzindo a Indonésia, Malásia (2018) e Camboja (2017) a interromper as vendas de areia para países selecionados. A aquisição e comercialização de areia também desencadeou atividades de cartéis criminosos – sindicatos do crime que adquirem areia indiana controlam vários locais de mineração ilegal, aumentando os riscos de segurança na região.
  • A França acumulou la maior ZEE do mundo. A ZEE dos territórios e departamentos ultramarinos franceses é cerca de 8% do total mundial, enquanto a França representa menos de 0,45% da área terrestre do mundo. Embora as ZEEs não sejam consideradas parte do território de um estado, elas concedem direitos especiais a recursos, como pesca e extração mineral, em uma área que se estende por 200 milhas náuticas (370 km) da costa de um país. Isso incentivou a França em 2018 a se tornar a primeira nação europeia a articular sua sua própria estratégia Indo-Pacífico, com uma estratégia de defesa dedicada concluída em 2019. Mais de 7,000 soldados franceses e vários navios estão implantados permanentemente na região.

Zonas econômicas exclusivas expandem áreas de interseção entre países, aumentando potencialmente a tensão política

Fonte: Flanders Marine Institute (2019). Maritime Boundaries Geodatabase, version 11. Available online at https://www.marineregions.org/.

Nos países líderes por extensão da ZEE, os riscos de guerra e expropriação são relativamente baixos, mas os riscos de terrorismo, violência e a própria guerra aumentaram significativamente em uma base relativa. (ver Figura 2)

As classificações de risco da Marsh são geradas mensalmente por um sistema de modelagem próprio, baseado em algoritmos que incorpora mais de 200 índices internacionais em 197 países. Para cada perigo, os países são pontuados em uma escala de 0,1 a 10,0, com intervalos de uma casa decimal; 0,1 representa a pontuação de risco mais baixa, 10,0 a mais alta. Cinco faixas de risco são identificadas dentro da escala, correspondendo a ambientes de risco distintos.

Figura 2:

Classificações de risco político para países selecionados com grandes ZEEs

Fonte: Marsh


  • A Rota do Mar do Norte (NSR)
     é outra área marítima onde os atritos entre países podem desencadear conflitos mais amplos e interromper o comércio internacional (ver Figura 3). Toda a rota fica nas águas do Ártico e dentro da ZEE da Rússia, o que significa que a Corporação Estatal de Energia Atômica da Rússia (Rosatom) supervisiona o trânsito de todos os navios. O risco de confisco ou expropriação continua alto na Rússia, incluindo suas águas territoriais. Em agosto e setembro de 2021, até, hasta 85 embarcações navegaram contemporaneamente nessas águas. Com o tráfego marítimo em geral, a bandeira que um navio arvora geralmente não reflete o interesse econômico predominante de sua carga. Isso adiciona elementos de incerteza e tensão caso medidas de retaliação sejam implementadas, bem como controles adicionais sobre cargas, considerando que 40% dos navios em trânsito no NSR em 2021, carregavam as bandeiras da Libéria, Portugal ou Ilhas Marshall. A Rússia continua a monitorar cuidadosamente os trânsitos em suas águas territoriais. Possíveis retaliações contra navios e cargas de países terceiros, incluindo um bloqueio total, podem perturbar os fluxos comerciais e desviar a atenção da frágil situação ambiental ao longo da rota.
Figura 3:

O número de viagens de trânsito ao longo da Rota do Mar do Norte continua a aumentar

Relatorio

Relatorio de Risco Político 2022

Leia o relatório completo

 

 

Artigos relacionados